Vou Nadar Até Você, de Klaus Mitteldorf


Vou Nadar Até Você,  de Klaus Mitteldorf e Luciano Patrick é assim como Ilha, de Glenda Nicácio e Ary Rosa, um filme sobre a expressão imagética com referências ao mar. Por sua vez, os dois não poderiam ser mair mais diferentes.

Em um momento crítico, Ophelia (Bruna Marquezine, que está ótima) consola Smutter (Fernando Alves Pinto) dizendo que ninguém pode te privar do direito de se expressar. Afinal, é como você enxerga o mundo, como o interpreta, como se coloca enquanto pessoa ativa na construção cultural da humanidade.

Acontece que essa passagem não é apenas uma expressão do idealismo de Ophelia (Marquezine), mas todo o conceito do próprio filme de Mitteldorf, um fotógrafo. O trio de protagonistas é formado por fotógrafos e é através de suas fotos que os conhecemos, que descobrimos que tipo de pessoas são e como se relacionam. O próprio filme evolui narrativamente através das imagens, das luzes e projeções.

Mas se Mitteldorf decide encarar o papel de discutir arte (como o filme pontua e foi solicitado que o elenco fizesse também em cima do palco), o diretor esqueceu de questionar os próprios enquadramentos. Seguimos Ophelia pelo litoral de São Paulo em sua jornada road-movie-às-avessas com todos os contratempos que o gênero sugere. Mitteldorf se encosta, talvez pelos longos anos de sucesso na fotografia, em lugares comuns do que é "evidentemente bonito". A protagonista é Bruna Marquezine, afinal. Mas o que é evidentemente bonito? Certamente o que nos disseram que é bonito. O que nos disseram. E quem disse?


O próprio Tedesco (Peter Ketnath) fotógrafo plagiador do filme, diz pra o amigo Smutter que arte e idéia nascem juntos. Mas isso só evidencia que Vou Nadar Até Você é incoerente consigo mesmo. A virada estética do Romantismo (alemão por sinal) que separou a arte de seu regime representativo e ganhou força no modernismo do século XX pauta-se na construção formal. Uma filosofia para cada obra. Um percurso de ideias que acarretam num discurso.

Em um flashback, Tedesco é recusado por um curador alemão por estar se repetindo. Mas o filme não deixa Tedesco se reinventar e vermos de que modo a fotografia se estabelece como arte. O filme prefere usar isso como motor para os dramas que levam a narrativa. Estabelece-se então três lugares: o do plagiador, o do voyeur e o do stalker. Se Hitchcock criou o herói ironizando o voyeurismo em Janela Indiscreta, Mitteldorf só usa desses conceitos como ossos do ofício do fotógrafo, que chato que acontece, mas o show precisa continuar.

É aqui que entra o maior problema de todo o filme. Se a mãe de Ophelia diz que Tedesco não se interessa pelas pessoas, só as imagens, o diretor faz o mesmo. O voyeurismo não acaba em Smutter, a própria Ophelia ignora os pedidos dele para que pare de fotografá-lo. As imagens são tomadas uns dos outros como se o objeto da fotografia fosse o olhar de quem tira a foto, e não a relação que ele terá com o fotografado, não a experiência que ambos proporcionarão um ao outro. Se arte e ideia surgem juntos, deve-se abrir para a dialética desse encontro. Isso por si só exclui a noção básica do que é evidentemente bonito que o filme todo se baseia.


Ficha Técnica

Título original e ano: Vou Nadar Até Você, 2017. Direção: Klaus Mitteldorf e Luciano Patrick. e Roteiro: Klaus Mitteldorf. Elenco: Bruna Marquezine, Peter Ketnath, Ondina Clais, Fábio Audi, Fernando Alves Pinto, Cristina Prochaska, Dan Stulbach, Luciano Patrick. Gênero: Drama. Nacionalidade: Brasil. Fotografia: Alexandre Ermel. Produção: Coração da Selva. Distribuição: Elo Company. Duração: 01h47min.
É importante perceber que toda a trama rodeia a pintura Ofélia de Millais. Ao fazer tal escolha, o diretor faz outra decisão acerca da fotografia: põe em pé de igualdade com a pintura. Tedesco também diz que o meio que a obra é produzido não importa. Mas se o meio não importa, acompanhamos apenas remakes de pinturas clássicas (as imagens certamente belas), releituras. Mesmo usando o filme para discutir arte, a forma da fotografia enquanto arte por si só não é questionada. A forma do filme então…

É um filme que tenta aproximar narrativamente, mas formalmente apenas distancia. Enquanto Glenda e Ary começam Ilha com um personagem querendo fugir do outro (o oposto deste aqui), o afeto é elaborado na troca de referências e cruzamentos de olhares entre os dois personagens negros. Também vemos os dois a partir de suas imagens, mas ambos estão abertos para o diálogo. Vou Nadar Até Você percorre um caminho linear e hierárquico.

Nota da editora

A produção está participando da 47º edição do Festival de Cinema de Gramado.

Escrito por Maurício Ferreira

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)