Um Lindo Dia na Vizinhança, Marielle Heller


O faro de Hollywood para adaptações é conhecido e entrega filmes de todos os tipos e plataformas provenientes possíveis. Nessa toada, recebemos produções como a saga O Senhor dos Anéis, Orgulho e Preconceito e a criação do Universo Marvel nos cinemas. Um Lindo Dia na Vizinhança é a adaptação de um artigo na revista Esquire, datado do fim dos anos 90, que conta a história por trás da escrita do perfil de Fred Rogers, um apresentador de um programa infantil norte-americano entre os anos de 1968 aos 2000. A fonte pode soar um pouco desesperada a princípio e levantar suspeitas, e a diretora Marielle Heller usa isso para baixar nossa guarda. 

O protagonista Lloyd Vogel (inspirado no verdadeiro escritor do artigo, Tom Junop, e interpretado por Matthew Rhys) acha estranho a tarefa de escrever sobre alguém que tem como público crianças de até oito anos. Afinal, começava a ser conhecido por seus textos incisivos e duros sobre os temas que aborda. A visão pessimista do mundo por parte de Lloyd acaba adquirindo uma lente cínica que o faz duvidar das boas intenções do famoso Mister Rogers (Tom Hanks).

Por isso, entrevistar alguém tão gentil e preocupado em nos ensinar o dom a empatia e da compreensão pode ser bastante difícil. Especialmente quando se passa por momentos delicados na vida pessoal como acontecia com o jornalista. Somos, então, apresentados a esse processo de escrita ao longo do filme.

Mr. Rogers é construído pelos roteiristas como o personagem que chega para transformar o protagonista, mas continua o mesmo. É aquele que vem com uma missão quase angelical de guiar a jornada daqueles ao seu redor. Esse tipo de perspectiva sobre a personagem é bastante comum e pode ser vista facilmente em películas como Forrest Gump (1994), com o mesmo Tom Hanks, mas também em personagens mais caóticos, como Axl Foley de Um Tira da Pesada (1984).


O filme de Heller sabe da figura que precisa representar e do carinho que o público norte-americano tem para com este. A persona pública de Rogers gravada no imaginário daquele é do simpático senhor que ouve a todos e nos ajuda a lidar com os sentimentos, especialmente os tidos como ruins, como a mágoa, a raiva e a frustração. Assuntos difíceis, inclusive entre os adultos, mas que Rogers leva ao conhecimento das crianças de modo delicado. Levando tudo isso em consideração, Heller monta seu filme assim como Fred Rogers filma seus programas e atravessa a vida de Vogel. E o apresentador tem noção de seu papel, sendo humanizado no último momento. A cartada final de Heller é “desbeatificá-lo”.

Num primeiro momento, Um Lindo Dia na Vizinhança, pode parecer simplista e água com açúcar com algumas frases de efeito e metáforas visuais e sonoras óbvias. Mas assim como Lloyd não acreditava no trabalho de Rogers, às vezes a simplicidade do encontro e do ouvido aberto para o outro do filme de Heller faz com que o espectador se abra também para a mensagem que se traz. Aliás, se existir o gênero “filme de mensagem”, Um Lindo Dia se encaixa nele. Mas o que pode parecer impositivo e brega dessa proposta acaba como pura sinceridade, tanto das performances quanto do trabalho da diretora. 

Findaram-se os tempos de paz e as disputas dos espaços de poder estão em jogo. Além disso, vê-se crescer o número de diagnósticos de doenças psíquicas, sendo a depressão e a ansiedade as líderes dessa lista. Em dado momento, Lloyd assiste a entrevistas de Rogers para a TV e ele questiona a maneira como crianças são vistas e criadas nos Estados Unidos: afirma que, mais do que pessoas, elas são compradores em potencial. 

Trailer

Ficha Técnica

Título original e ano: A Beautiful Day in the Neighborhood, 2019. Direção: Marielle Heller. Roteiro: Noah Harpster e Micah Fitzerman-Blue - inspirado no artigo de Tom Junod ''Can You Say ... Hero?. Elenco: Tom Hanks, Matthew Rhys, Chris Cooper, Tammy Blanchard, Wendy Makkena, Enrico Colantoni, Maryann Plunkett, Susan Kelechi Watson. Gênero: drama, Biografia. Nacionalidade: Eua. Trilha Sonora Original: Nate Heller. Fotografia: Jody Lee Lipes. Figurino: Arjun Bhasin. Edição: Anne McCabe. Distribuidora: Sony Pictures. Duração: 01h49min.

Assim, a análise por parte de uma diretora sobre a incapacidade de um homem frustrado lidar com seus sentimentos assume um lugar de exposição de um problema social maior do que a vida dessas personagens. A clareza com que mostra a jornada interior de Lloyd Vogel é sobre mostrar como nem sempre os adultos amadureceram tanto quanto pensam e como isso é um problema social, mais do que individual.

HOJE NOS CINEMAS

Escrito por Maurício Ferreira

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)