Baseado em uma história real ''Os Invisíveis'' é emocionante, sensível e comovente!




Em 30 de janeiro de 1933, os Nazistas tomam o poder e a partir dali começa a exclusão, difamação e privação de direitos de aproximadamente 500.000 Judeus na Alemanha. Boicote de empresas e propriedades a contar de 1º de abril de 1933, leis raciais de Nuremberg datam de setembro de 1935 e perseguições autorizadas de 9 de novembro de 1938. Dias que são marcas históricas desta triste e vergonhosa tragédia.

Muitos judeus percebendo o perigo, se prepararam para a fuga estudando outras línguas e se habilitando em outras áreas de atuação. Até o início da guerra, em 1939, mais de 300.000 judeus já tinham deixado a Alemanha.

Após 1941, o genocídio nazista exterminou aproximadamente 6 milhões de pessoas, baleadas ou assassinadas com gás. Mais de 165.000 eram judeus alemães que depois de outubro de 1941 foram arrancados de suas vidas rotineiras e levados brutalmente para campos de extermínio em áreas ocupadas pelos alemães na Polônia e União Soviética. Muitos tentaram escapar, mas a emigração era proibida. Restava ao povo sofrido viver escondido e resistir à ditadura, em perigo constante, correndo risco de ser descoberto ou traído por vizinhos ou pelos jovens manipulados pela propaganda nazista.

Em 1943, o Ministro da Propaganda, Joseph Goebbels declarou Berlim "Livre de Judeus", considerando este fato um sucesso.


Trailer

Na realidade, o anúncio seria a declaração final de extinção do povo judeu.
Restava a fuga ou ser levado para Campos de Concentração, onde ninguém sabia realmente que fim teria. 7.000 judeus ainda viviam na capital do Reich e permaneciam escondidos no subterrâneo, resistindo à deportação com a ajuda de bem intencionados berlinenses cristãos, desafiando as ordens das autoridades que fechavam o cerco fazendo rondas e vistorias inesperadas às residências. Destes 7.000, apenas 1.700 conseguiram se salvar.

O filme "Os Invisíveis" mostra, de maneira real, a resistência de quatro destes sobreviventes, testemunhas contemporâneas dos horrores da Guerra. Um drama emocionante e envolvente, rico em detalhes e habilmente conduzido de maneira sensível e comovente pelo diretor Claus Räfle.



Na história temos:

1- Hanni Lévy (Alice Dwyer), jovem que perde os pais aos 17 anos e precisa sobreviver anonimamente. Graças ao cabelo loiro tingido consegue circular entre seus perseguidores e passa os dias perambulando e frequentando o cinema local até que encontra refúgio e sobrevive até a libertação de Berlim.
2- Cioma Schönhaus (Max Mauff) . No final dos anos 30, Cioma estudava artes gráficas, mas foi obrigado a parar pela situação e forçado a trabalhar. Porém como único trabalhador da família ficou livre dos campos de concentração. Passa então a falsificar passaportes ajudando centenas de judeus e salvando a própria vida.
3- Ruth Gumpel. Nascida Arndt (Ruby O. Fee) Se finge de viúva da guerra e ajudada por um amigo arranja emprego como serviçal na casa de um oficial nazista que faz contrabando de álcool e comidas gourmet.
4- Eugen Friede (Aaron Altaras). Sua mãe judia casada com um alemão cristão foi protegida pela Lei da Miscigenação e não foi presa pela Gestapo, mas Eugen não teve a mesma sorte e teve que fugir e se esconder, passando mais tarde a distribuir panfletos alertando o povo sobre os crimes nos campos de concentração.
5- E ainda Wernwe Scharff (Florian Lukas) que resiste como herói e com conhecimento da realidade de Awchwitz resolve informar as pessoas também imprimindo e distribuindo panfletos. E a contraponto, temos a figura trágica da jovem Stella Goldschlag (Laila Maria Witt) que para sobreviver passa a cooperar com os nazistas como informante da Gestapo, enviando centenas de judeus para a morte, porém permitindo que Cioma escape.

  
Ficha Técnica
  • Título original: The Invisibles. Direção: Claus Räfle. Roteiro: Claus Räfle, Alejandra López. Elenco: Max Mauff, Alice Dwyer, Ruby O. Fee. Trilha sonora: Matthias Klein. Direção de fotografia: Jörg Widmer. Edição: Jörg Hauschild, Julia Oehring. Design de produção: Kade Gruber. Direção de arte: Christina Heidelmeier. Figurino: Ute Paffendorf. Nacionalidade: Alemanha. Gêneros: Drama, Guerra, Histórico. Ano de produção: 2017.  Produção: Marc Brasse, Frank Evers,Claus Räfle, Jörg Schulze, Kristian Stern. Estúdios: Look! Filmproduktion, Cineplus, Norddeutscher Rundfunk (NDR), Bayerischer Rundfunk (BR). Distribuição: Mares Filmes.Duração: 1h 50min.
 
O longa se desenrola em diferentes níveis e os quatro nunca se encontram, mas estão unidos na tragédia. Os personagens da vida real foram entrevistados e ouvimos os quatro idosos muitas vezes durante o filme, dispostos a contar suas histórias e não deixá-las cair no esquecimento.

Räfle combina perfeitamente o real e o imaginário, dando ao filme um leve tom documentário num estilo fluido e rápido o que confere credibilidade e autenticidade a produção.

Para não me estender mais, basta dizer que a obra é extremamente apaixonante e capaz de levar o público às lágrimas. Traz sensibilidade na medida exata, contando histórias de reconciliação, entremeadas de humor e suspense.

Assim, ''Os Invisíveis'' é a super dica de estreia da semana.
Confira!!!

Hoje nos cinemas
Helen Nice

Escrito por staff

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)