Juliet, Nua e Crua


           
Antigamente, um dos gêneros mais comuns entre os filmes disponíveis nos cinemas eram comédias românticas. Praticamente todo mês uma nova produção do gênero era lançada prometendo ser a junção perfeita entre os dois estilos. O resultado era que a grande maioria acabava se limitando a trazer histórias muito similares. Talvez, por isso, nos dias de hoje temos uma leva bem menor do bombado estilo, ainda mais com a popularidade de filmes de ação em Hollywood que se enquadram no termo “cash cows”(lucro garantido sem muito investimento).
          
Mas ainda assim, essa espécime vem e volta as telas. Já que, em geral, elas não são vistas somente como um jeito fácil de se fazer dinheiro, pois atingiram um outro patamar em sua receita: a adição de alma. Algo que ''Juliet, Nua e Crua'' se encaixa certamente. Isto porque é uma comédia romântica com uma ideia distinta do normal e vem com o selo de qualidade estampado por ser baseada no livro (ver aqui) homônimo do aclamado escritor Nick Hornby. Ele que é responsável por obras que também ganharam adaptações excelentes como 'Alta Fidelidade' e "About a Boy''. 

Trailer
           
'Juliet, Naked', título original do filme, conta a história de Annie (Rose Byrne), uma mulher de uma pequena cidade da Inglaterra que não está satisfeita com a vida. Nada de diferente de outros filmes do gênero, mas as coisas na vida de Juliet começam a mudar quando o marido Duncan (Chris O’Dowd), fã alucinado de um artista esquecido chamado  Tucker Crowe (Ethan Hawke), lança um novo álbum.

O artista produziu apenas um disco, durante os anos 90, e, segundo Duncan, aquele fora sua obra-prima não apreciada pelo significado das letras e a composição das melodias. 


 Annie, que anteriormente era movida por sua paixão por Duncan e a vida simples que levava, agora se encontra desencantada com a sua situação. O que propicia isto é exatamente o novo trabalho de Tucker, produzido, mas nunca antes lançado. E o relacionamento do casal fica ainda mais dividida quando Annie cria um post reclamando do quão chato é este novo cd de Tucker e ataca diretamente o ídolo amado de Duncan.
            
Brigas e discussões acontecem, mas nada de novo na relação duradoura de Annie e Duncan. Contudo, a mulher tem uma grande surpresa. Tucker Crowe a envia um email e diz concordar  com as suas opiniões - que a música dele é sem sentido, às vezes, chegando a ser maçante de se ouvir, em palavras exatas. E assim se inicia a parte que preenche realmente a história do filme. 

Os dois percebendo seus opostos e refletindo sobre isso. Descobrimos mais da vida de Tucker. Que é um músico fracassado, um pai também fracassado de inúmeros filhos e um homem de muitos arrependimentos. Do outro lado está Annie. Encantada por aquele cara que achava entediante, mas que certamente teve uma vida mais excitante do que ela jamais imaginara ter.
           

Ficha Técnica

  • Título original: Juliet, Naked. Direção: Jesse Peretz. Roteiro: Evgenia Peretz, Jim Taylor, Tamara Jenkins. Baseado no livro de Nick Hornby. Elenco: Ethan Hawke, Rose Byrne, Chris O'Dowd. Nacionalidades: EUA, Reino Unido. Gêneros: Drama, Romance. Ano de produção: 2018. Trilha sonora: Nathan Larson. Direção de fotografia: Remi Adefarasin. Edição: Sabine Hoffman, Robert Nassau. Design de produção: Sarah Finlay. Direção de arte: Caroline Barclay. Decoração de set: Ellie Pash. Figurino: Lindsay Pugh. Produção: Judd Apatow, Nicky Kentish Barnes, Albert Berger, Kwesi Dickson, Nick Hornby, Simon Horsman, Barry Mendel, Patrick Murray, Paul Sarony, Thorsten Schumacher, Jeffrey Soros, Igor Srubshchik, Ron Yerxa. Estúdios: Los Angeles Media, Rocket Science, Bona Fide Productions, Apatow Productions, Turnlet Films, Ingenious Media. Distribuição: Diamond Films. Duração: 1h 45min. Classificação: 12 anos.

Aqui temos o exemplo de um ótimo trabalho de adaptação do material literário para as telas. A equipe ainda usa de elementos que fazem a produção se diferenciar no que ela pode e tem direito. O elenco agrega demais e nos dá ótimas atuações o que deixa meio caminho andado para que o espectador se apaixone pelos personagens. O contraponto entre eles é algo imprescindível também, pois ambos vivem vidas completamente diferentes: Annie é alguém que sempre pisou em um cão seguro, nunca teve muitos problemas reais, e, por isso, leva uma vida sem muitas excitações, enquanto Tucker percorrera uma jornada cheia de aventuras e agora tem que lidar com as consequências de um período em que fora inconsequente.

Juliet, Nua e Crua surpreende e é sim um bom filme. Sua comédia vem da maneira certa bem como seu tom de romance e a combinação dos ingredientes revelam uma ótima receita. Mesmo aqueles que não iriam se interessar muito por um filme do estilo podem chegar a se divertir. O que é claramente culpa, em grande parte, da escrita e também da atuação dos dois atores principais. 

Estreia imperdível de hoje que pode ser conveniente para aqueles procurando algo mais fofo, calmo e divertido de se assistir. Pense na opção!


Hoje nos cinemas

Por
Lucas P Marques da Silva


NOTA DA EDITORA: O filme esteve em Sundance e fez muito burburinho. O diretor, Jesse Peretz, é responsável pela comédia indie ''O Idiota do Meu Irmão'' e também já conduziu muitas séries. Alguns dos clipes da banda Foo Fighters como ''Learn To Fly'', ''Big Me'', ''The One'', ''Low'' e ''Long Road To Ruin'' foram dirigidos por ele.

Escrito por staff

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)