Quando Margot Encontra Margot



Margot é uma jovem de 25 anos (Agathe Bonitzer) que ainda vive a rotina de uma adolescente regada a festas e baladas em Paris. Impulsiva, insegura, instável, ela não se distingue muito das moças de sua idade. Os estudos terminaram, os amigos se mudaram e, consequentemente, se afastaram. Logo, as dúvidas quanto à carreira e futuro surgem e todo um conjunto de dilemas também. Até porque suas relações se tornaram vazias e transitórias. 

Em uma destas noitadas, ela encontra casualmente uma mulher na faixa dos 40 anos (Sandrine Kimberlain) que coincidentemente também se chama MargotA princípio, todas as similaridades que se apresentam (aparência e etc) são vistas por elas como algo possível de ocorrer. Mas não demora muito para que elas se convençam de que são a mesma pessoa em diferentes fases da vida.

O porquê isso acontece, se realmente acontece, ou se seria viável acontecer não vem ao caso. Mas a situação dá ao espectador a possibilidade de se imaginar vivendo algo semelhante. Aliás, até  dá para  pensar em como seria este encontro e como este se daria

Nesta história francesa com direção e roteiro de Sophie Fillières (Um Fim de Semana Na Normandia, de 2014), surge então o questionamento  do quanto de nossa personalidade, quando jovem, permanece na fase adulta e até que ponto as decisões tomadas em certo período irá mudar os acontecimentos do outro.

Trailer


Margot (Sandrine) e Margot (Agathe) são duas faces de uma mesma moeda como todas nós mulheres. Em sua fase mais madura, a mulher é mais discreta e já está calejada pela vida. Logo, esta toma certas precauções e tenta ter uma postura mais serena, ainda que carregue as marcas da experiência. A mais jovem, claro, não tem o mesmo olhar para o que acontece. Algo interessante que pensamos ser possível de ocorrer é a ideia da Margot de 45 tentar orientar e persuadir a de 20 para que esta não cometa os erros e trace caminhos mais seguros. Contudo, sabendo que tal ato mudaria sua história de vida, ela não o faz e possibilita a sua eu do futuro se torna quem é. Outro fator importante que a situação traz é que se esta privasse sua eu jovem de viver e errar ou acertar como ela conviveria com as dores e delícias do crescimento? Pois assim estaria barrando sua maturidade e modificando seu futuro. Ainda assim, instiga-se até que ponto a fase jovem da mulher já não tem consciência disto e será que sua memória registra essa trajetória? Bem, o que vemos em certo momento é que a Margot adulta olha para o passado com orgulho, por ter se tornado quem é, porém tem todo o direito sim de se arrepender de escolhas feitas.


Ficha Técnica.

Título original: La Belle et La Belle, 2018. Direção e Roteiro: Sophie Fillières. Elenco: Sandrine Kiberlain, Agathe Bonitzer, Melvil Poupaud, Lucie Desclozeaux, Laurent Bateau e Théo Cholbi. Gênero: Drama. País: França. Diretora de Elenco:constance Demontoy. Montadora Chefe: Valérie Loiseleux. Engenheiro de Som: Henri Maikoff e Jean-Pierre Laforce. Gerente de Produção: Harvé Duhamel. Distribuição: Pandora Filmes. Duração: 95 min. Classificação: 14 anos

O filme tem uma temática rica e interessante, mas se mantém mais pela interpretação do que por diálogos ricos ou profundos. Espera-se um certo aprofundamento ou comicidade, mas esta não chega - ainda que se reconheça que o humor francês é mais leve e sutil.

Por fim, chega-se a conclusão mais provável que é essencial não julgar e sim sentir compaixão, empatia e gratidão com quem se foi. Ademais, vale lembrar que é o aprendizado da caminhada em nossas vidas que nos torna quem somos!

04 de Abril nos cinemas 

Escrito por Helen Nice

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)