Aquaman, de James Wan


O público brasileiro talvez não saiba, mas ele ganhou a chance de ver o longa que conta a origem do super-herói Aquaman antes de todo o resto do mundo. A oportunidade, de certa forma, causada pela data da Comic Con 2018 coincidir com a estréia fez com que a Warner Bros não só exibisse a produção no evento, no último sábado (08), como também antecipasse seu lançamento que está previsto para 21 de dezembro, em outros países. 

Com direção de James Wan, o cineasta que dirigiu o sétimo Velozes & Furiosos, mas que em grande maioria tem no currículo filmes que conquistaram fãs do terror moderno como 'Jogos Mortais, Invocação do Mal e sua continuação e Annabelle', a película vem com muitas cenas de ação e uma trama bem redesenhada a partir da história do personagem criado por Mort Weisinger e Paul Norris, lá nos anos 40, para a DC Comics.

Estrelado Por Jason Momoa, Nicole Kidman, Amber Heard, Willem Dafoe, Temuera Morrison, Yahia Abdul-Mateen II, Dolph Lundgren, Michael Beach e Patrick Wilson, Aquamen se junta ao time de boas produções como Watchmen, Homem de Aço, Mulher Maravilha e a trilogia Batman realizada por Christopher Nolan.

Trailer

Arthur Curry (Momoa) inicia sua jornada nos contando como se deu a união de seus pais, um humano e a rainha de Atlantis, Atlanna (Kidman). Dali partimos para o dia a dia de Curry no pequeno vilarejo em que reside e é altamente conhecido, afinal, sempre que há algo errado nas profundezas do oceano o homenzarrão é visto tentando ajudar. E é em uma dessas vezes que Curry conhece um jovem pirata (Mateen) e seu pai (Beach) utilizando de uma tecnologia desconhecida para sequestrar submarinos e os enfrenta, pois não quer permitir a morte de inocentes. A dupla não tem um fim bonito, mas o jovem sai vivo dali. Enquanto isto, no fundo do mar os atlântianos da realeza marcam um encontro para conversarem sobre o futuro do povo em relação a ameaça constante que são os seres humanos acima deles. Porém, durante a reunião Rei Orm (Wilson) e Rei Nerus (Lundgren) são então atacados e este fator os faz declarar guerra aos humanos. Mera (Heard) filha do Rei Nerus decide assim procurar Curry e convencê-lo a ir a Atlântida reivindicar seu lugar como rei já que o Rei Orm está fora de si. Mas para isto ele terá de encontrar um tesouro perdido, o Tridente do Rei Atlan, e assim ter forças o suficiente para derrotar o meio-irmão poderoso e vingar o desaparecimento de sua mãe. 
Tom Curry (Morrison) e a rainha Atlanna (Kidman) com o pequeno Arthur
Quando o diretor, roteirista e produtor Zack Snyder anunciou Jason Momoa como o ator que viveria Aquaman nas telas muita gente se retorceu. Mas Snyder, responsável pela entrega do projeto grandioso de trazer os heróis da DC pra telona, não fez uma péssima escolha. Apesar de Momoa fugir de algumas das características que o personagem apresentava na HQ (branco, loiro e de olhos azuis) sua aparência e estilo de vida condizem muito com todo a 'essência ambiental' que o herói traz. Momoa nasceu no Honolu, Havaí, e sempre levou uma vida ligada a natureza e aos esportes. Seu físico de brutamontes o colocou em muitas produções e seu talento como ator ainda parece crescer. 

Aqui, claramente, Momoa demonstrou ser um baita 'action-hero' e teve a ajuda de um roteiro que adaptou e adequou a trama original a um blockbuster pra lá de esperado já que a personagem 'Mulher Maravilha' também teve o seu e, em breve, alguns dos outros heróis da liga devem dar as caras em aventuras solos. 

Sim, nos temos algumas alterações em cima do texto de origem do personagem - profissão do pai, i nascimento do herói, desenvolvimento e morte de sua mãe ou ainda de quem é realmente filho o seu meio irmão, mas Wan e os roteiristas usam aqui os quadrinhos lançados nos anos 2000 onde as idéias que se apresentam também foram alteradas. E, de certo modo, não prejudicaram as primeiras aventuras de Aquaman.

 Meus pais me fizeram o que sou

Bem, três coisas não funcionam muito bem aqui. A primeira delas é o CGI que em muitas cenas está pior que de video-game com orçamento pequeno e a segunda é a trilha sonora. A Warner Bros é bem profissa no quesito de chamar feras pra comporem e contratar outrem que supervisione a lista de canções, porém em Aquaman essas pessoas fizeram um trabalho bem desequilibrado para não dizer ruim. Os sons que ouvimos durante o filme parecem desconexos e as músicas escolhidas para alguns momentos são de gosto questionável ou só não conseguem dar ritmo algum e fazer sentido nas cenas.

O outro errinho do longa é que há uma tentativa clara em deixar o personagem fanfarrão e ter alguns diálogos durante o filme que causem riso na platéia. Alguns deles funcionam, mas outros soam superficiais demais. 

 Porém, em uma das cenas iniciais, é possível que você gargalhe alto com o tom de pegadinha que ela impõe. (Eu o fiz).

 ''- Hey, amigo. Você é aquele peixe garoto que comentam na tv? - grupo no bar
- É peixe homem. - Aquamen (Momoa)

O roteiro constrói uma boa base para futuras aventuras do herói como também o introduz de um jeito criativo. Escolhe deixa-lo contar sua jornada no inicio e no fim, fazendo uma boa referência a como Arthur é nas HQs. Traz referências ao mundo pop (Pinóquio, a boneca Anabelle), informações sobre a história em volta de Atlantis, seu primeiro Rei, o Rei Atlan, sobre criaturas mitológicas e vai acrescentando aos poucos e não exatamente de um jeito linear como se deu a formação de Arthur Curry. O espectador não é feito de burro em nenhum momento, mas algumas das cenas são bem explicativas como o momento em que escolhe se demonstrar o porquê a armadura do vilão 'Arraia Negra' é como é - e, inclusive, ficou tão linda quanto a original dos quadrinhos. 

O elenco escolhido consegue ser afiado e o carisma de Momoa é sua melhor arma. Vale dizer que quando este se torna de verdade Aquaman dá gosto em assistir e soltar aquele 'UAU'. Algo legal é que os atores que vivem as fases do crescimento do personagem casam bem com o look do ator. Nicole Kidman no papel de Atlanna e Willem Dafoe como o conselheiro Vulko estão ainda mais maravilhosos que o normal. Kidman teve seu primeiro contato com o universo de adaptações de heróis para o cinema quando foi par romântico de Michael Keaton em 'Batman Eternamente' (1995) e aqui é uma rainha poderosa que sabe lutar horrores. Dafoe viveu o terrível Duende Verde na aventura do Homem Aranha e sua sequência, ambos dirigidos por Sam Raimi. Patrick Wilson esteve em ''Watchmen'', de Zack Snyder e Dolph Lundgren na versão dos anos 80 de ''Mestres do Universo como 'He-man' e também em 'O Justiceiro'. Amber Heard que já possui bons papeis no cinema estreia no gênero e faz uma boa dupla com Momoa.

James Wan tenha feito talvez um dos melhores filmes do universo DC. Realiza com muita técnica ótimas cenas de ação, trabalhando imensamente a movimentação das câmeras (se atentem as cenas de perseguição na Itália), e deixando transparecer a verdade do personagem. Ademais, não deixa que as conveniências estraguem muito o caminhar do filme e soube dar o ponto correto.

 Apesar dos efeitos visuais estarem medianos, o que o filme entrega é sim belo e altamente colorido, portanto, se puder ver em 3D ou IMAX, pode ser uma boa pedida sim.


Ficha Técnica


Título Original: Aquaman, 2018. Direção:James Wan. Roteiro: David Leslie Johnson McGoldrick, Will Beall, Geoff Johns e James Wan baseado no personagem criado por Mort Weisinger e Paul Norris. Elenco: Jason Momoa, Willem Dafoe, Amber heard, Nicole Kidman, Patrick Wilson, Dolph Lundgren, Yahya Abdul-Mateen II, Temuera Morrison, Ludi Lin, Michael Beach, Grahan Mctavish, Tanui Kirkwood, Tamor Kirkwood, Denzel Quirke, Kaan Guldur, Otis Dhanji, Kekoa Kekumano - com vozes de Julie Andrews, John Rhys-Davis, Djimon HounsouGênero: Ação, Aventura. País: EuaFotografia: Don Burgess. Edição: Kirk M. Morri. Trilha Sonora Original: Rupert Gregson-Williams. Direção de Arte: Fred Palacio. Supervisor de Efeitos Especiais: Brian Cox. Design de Produção: Bill Brzeski. Distribuidora: Warner Bros Pictures. Duração: 02h23min. 

 Fãs dos quadrinhos que não compararem a versão cinematográfica com a HQ, vão gostar tanto quanto o público que só quer mais um filme de ação pra se divertir.

Avaliação:  Dois oceanos e noventa e sete cavalos marinhos (2,97/5).

PS: Tem uma cena pós-creditos. 

13 de Dezembro nos cinemas

See Ya!


B-

Escrito por Bárbara Kruczyński

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)