52º Edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro - Premiação


Na noite deste sábado, o público, os realizadores de produções cinematográficas e todos os presentes conheceram os ganhadores do Troféu Candango no 52º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

O festival, que teve inicio no sábado retrasado, contou com a exibição de 111 filmes alocados em diversas mostras e também nas regiões administrativas do DF bem como reprises destes no Museu Nacional da República. Durante os nove dias do evento tanto o público pode assistir e votar nos filmes quanto foi possível ver de pertinho o juri estrelado entre uma sessão e outra sentados ali nas cadeiras.  

Aliás, o juri deu ao longa 'A Febre' (RJ), dirigido por Maya Da-Rin, grande parte dos prêmios da noite, melhor longa-metragem (júri técnico), direção, ator (Régis Myrupu), fotografia (Bárbara Alvarez) e som (Felippe Schultz Mussel, Breno Furtado, Emmanuel Croset). Já os espectadores votaram e consagraram o brasiliense 'O tempo que resta', de Thaís Borges, eleito então o melhor longa da Mostra Competitiva via voto popular. O primeiro filme coloca nas telas a população indígena, tão esquecida, e o segundo retrata a dor de duas mulheres que acabaram tendo de deixar suas casas por ameaças de morte.

Outro longa que deu o que falar foi o filme de Gil Baroni, Alice Júnior (PR) . A produção foi a segunda com mais prêmios no Festival de Brasília de 2019. Levando para casa os candangos de: melhor atriz (Anne Celestino), atriz coadjuvante (Thais Schier), trilha sonora (Vinicius Nisi) e montagem (Pedro Giongo). A obra de teor teen se diferencia por evidenciar nas telas uma mulher trans vivendo a complicada adolescência quando a família precisa mudar de cidade e ela, obviamente, de escola.

Com certeza, a surpresa da noite foi o vencedor de curta-metragem como melhor filme. O escolhido  foi (SP), dirigido por Ana Flávia Cavalcanti e Julia Zakia que até ali não havia sido lembrado em nenhuma outra categoria e acabou abocanhado a principal. Duas animações foram exibidas durante a mostra, uma delas, Carne (SP), de Camila Kater, ganhou o coração público e o voto deles também. Para o carioca 'Alfazema', de Sabrina Fidalgo, melhor direção coube até no encaixe com a temática explorada no filme. .

 o produtor do longa 'A Febre', Leonardo Mecchi

Premiados

MOSTRA COMPETITIVA - LONGA METRAGEM


MELHOR SOM

A Febre, filme de Maya Da-Rin
Equipe de Som: Felippe Schultz Mussel, Breno Furtado, Emmanuel Croset

MELHOR TRILHA SONORA
Alice Júnior, filme de Gil Baroni,
Trilha Sonora de Vinicius Nisi

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Piedade, de Claudio Assis
Direção de Arte: Carla Sarmento

MELHOR MONTAGEM
Alice Júnior, filme de Gil Baroni
Montagem: Pedro Giongo

MELHOR FOTOGRAFIA
A Febre, filme de Maya Da-Rin
Direção de Fotografia: Bárbara Alvarez

MELHOR ROTEIRO
O tempo que resta, filme de Thaís Borges
Roteiro: Thaís Borges

MELHOR ATOR COADJUVANTE
Piedade, de Claudio Assis
Ator coadjuvante: Cauã Reymond

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE
Alice Júnior, filme de Gil Baroni
Atriz coadjuvante: Thais Schier

MELHOR ATOR
A febre, direção de Maya Da-Rin
Melhor ator: Régis Myrupu

MELHOR ATRIZ
Alice Júnior, direção de Gil Baroni
Melhor Atriz: Anne Celestino

MELHOR DIREÇÃO LONGA METRAGEM
A febre, direção de Maya Da-Rin

MELHOR LONGA METRAGEM JÚRI POPULAR
O tempo que resta, filme de Thaís Borges

PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI - LONGA-METRAGEM
Claudio Assis, pelo filme Piedade

MELHOR LONGA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE)
A febre, filme de Maya Da-Rin

PRÊMIO SARUÊ – CORREIO BRAZILIENSE
Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME LONGA METRAGEM COMPETITIVA
O tempo que resta, filme de Thaís Borges

MENÇÃO HONROSA
Ary y yo, de Adriana de Farias
Boca de ouro, de Daniel Filho
Um filme de verão, de Jo Serfaty


MOSTRA COMPETITIVA - CURTA METRAGEM


MELHOR DIREÇÃO CURTA METRAGEM 
Alfazema, filme e direção de Sabrina Fidalgo

MELHOR SOM
A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá
Som: Guma Farias e Bernardo Gebara

MELHOR TRILHA SONORA
Alfazema, filme de Sabrina Fidalgo
Trilha Sonora: Vivian Caccuri

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa
Direção de arte: Isabelle Bittencourt

MELHOR MONTAGEM
A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá
Montagem: André Sampaio

MELHOR FOTOGRAFIA
Parabéns a você, filme de Andreia Kaláboa
Direção de Fotografia: João Castelo Branco

MELHOR ROTEIRO
Carne, de Camila Kater
Roteiro: Camila Kater e Ana Julia Carvalheiro

MELHOR ATOR
A nave de Mané Socó, filme Severino Dadá
Melhor ator: Severino Dadá

MELHOR ATRIZ
Angela, filme de Marilia Nogueira
Melhor atriz: Teuda Bara

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO EDINA FUJII CIARIO)
A Carne, filme de Camila Kater

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA COMPETITIVA (PRÊMIO TÉCNICO DOT CINE E CINEMATICA)
Rã, de Júlia Zakia e Ana Flavia Cavalcanti

PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES
Chico Mendes, um Legado a Defender, de João Inácio

PRÊMIO CANAL BRASIL DE CURTAS - MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA
Sangro, de Tiago Minamisawa e Bruno H. Castro

PRÊMIO ABRACCINE – MELHOR FILME CURTA METRAGEM COMPETITIVA
A Carne, de Camila Kater



MOSTRA BRASILIA BRB


MELHOR DIREÇÃO
Mãe, filme de Adriana Vasconcelos

MELHOR CURTA METRAGEM JÚRI POPULAR
Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM JURI POPULAR
Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR CURTA METRAGEM – MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)

Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti

MELHOR LONGA METRAGEM– MOSTRA BRASÍLIA (PRÊMIO TECNICO EDINA FUJII CIARIO)Dulcina, filme de Glória Teixeira

MELHOR EDIÇÃO DE SOM
Mito e música – a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira
Edição de Som: Laurent Mis

MELHOR TRILHA SONORA
Mito e música a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama Oliveira
Trilha de: André Luiz Oliveira

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE
Dulcina, filme de Glória Teixeira
Direção de arte: Ursula Ramos e Demétrios Pina

MELHOR MONTAGEM
Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão
Montagem: Marcius Barbieri

MELHOR FOTOGRAFIA
Ainda temos a imensidão da noite, filme de Gustavo Galvão
Direção de Fotografia: André Carvalheira

MELHOR ROTEIRO
Mito e música - a mensagem de Fernando Pessoa, filme de André Luiz Oliveira e Rama de Oliveira
Roteiro: Rama de Oliveira

MELHOR ATOR
Escola sem sentido, filme de Thiago Foresti
Ator: Wellington Abreu

MELHOR ATRIZ
Dulcina, filme de Glória Teixeira
Atrizes: Bido Galvão, Carmem Moretzsohn, Iara Pietricovsky, Theresa Amayo, Glória Teixeira e Françoise Fourton

Todas as informações sobre o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro estão em: festivaldebrasilia.com.br

Escrito por Bárbara Kruczyński

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)

Vote no prêmio eSports!