Distribuição: Paris Filmes

Amor Por Direito


Documentado em formato de curta pela diretora Cynthia Wade, lá em 2007, a história de amor entre a detetive Laurel Hester e a jovem Stacie Andree ganha agora sua representação em um longa-metragem. No Brasil, 'Freeheld' ganhou o título de 'Amor Por Direito' e tem sua estréia marcada para esta quinta-feira (21). Nos papéis principais estão a ganhadora do Oscar Julianne Moore e a atriz Ellen Page. O filme tem ainda Steve Carell e Michael Shannon, no elenco, e a direção fica por conta de Peter Sollett (Nick & Norah: Uma Noite de Amor e Música) e o roteiro é assinado por Ron Nyswaner (Filadélfia). 

O drama traz ao espectador a comovente história real da policial de Nova Jersey, Laurel Hester, vivida pela sempre primorosa Julianne Moore, e da mecânica Stacie Andree, interpretada por Ellen Page. Juntas há alguns anos e reconhecidas como 'companheiras em um relacionamento estável', o casal tem seu mundo despedaçado quando Laurel recebe a trágica notícia de que possui um câncer em fase avançada. A primeira ação da detetive é prover o bem estar de sua parceira para que a mesma consiga manter a casa que ambas construíram juntas, contudo, ao solicitar que Stacie receba os benefícios da pensão da policia após sua morte, ela tem a triste surpresa de ter seu pedido indeferido pelas autoridades responsáveis pelo condado de Orange County. O argumento contrário dos freeholders é defendido pelo não reconhecimento da relação que Laurel tem com Stacie. 

Assim, a policial decide juntar todas as forças que lhe restam para lutar pelo bem estar de Stacie e inicia uma batalha diária contra o sistema com a ajuda do ex-parceiro de trabalho Dane Wells (Michael Shannon) e do ativista pelos direitos LGBT's Steven Goldstein (Steve Carell).   

O documentário que inspirou o filme foi ganhador do Oscar de 'Melhor Documentário em Curta-Metragem', no ano 2008.

O casal Laurel (Moore) e Stacie (Page)
Com um enredo já conhecido por alguns, a trama se sustenta em uma história de amor bastante delicada que amplia o questionamento sobre direitos de casais homoafetivos e heterossexuais. Não obstante, busca claramente dar mais atenção ao amor e a grande parceria entre Laurel e Stacie do que qualquer outra coisa.

Tudo vai se moldando ali passo a passo. Somos apresentados a vida de ambas e como elas se conheceram. Logo mais, vemos o amor florescer e, por fim, conhecemos as lutas que essas mulheres tão fortes têm de superar. Seus dramas e suas vitórias comovem e, além de tudo, trazem muita reflexão.

Stacie Andree aparece como figurante ao lado de de Steve Carell
Steven Goldstein, personagem de Carell, é um dos pontos chaves para o caminhar da história, pois durante todo o embate das audiências, é ele quem busca atenção da mídia e quem impulsiona as pessoas para se mobilizarem pela causa. Não se cansa um minuto de proclamar aos 'freeholders' que eles têm o poder de mudar aquele e tantos outros casos, basta quererem. A chegada do personagem, na verdade, traz até um alivio cômico, mas não deixa de reforçar a dramaticidade da situação. Seu depoimento cutuca a ferida, em cheio, tanto quanto os argumentos feitos pelo amigo de Laurel, e também policial, Dane Wells (Shannon).
Michael Shannon vive o polical e amigo de Laurel, Dane Wells

Shannon, inclusive, tem a função essencial de mostrar que uma amizade verdadeira não distingue classe, cor ou opção sexual e é o único, dentro do departamento policial, em um primeiro momento, a tomar partido pela ex-colega e reconhecer que ela têm tanto ou mais direitos que àqueles ali presentes. Aliás, o departamento esquece, de maneira covarde, todo o trabalho realizado por Laurel e prefere se abster do caso para não se prejudicar aos olhos da comunidade. Um ou outro policial se mostra corajoso o bastante para apoiá-la frente àquele conselho tão devastadoramente rigoroso e insensato.   

O elenco é assustadoramente perfeito. Moore é detalhista e emplaca  mais uma vitória para o já tão belo currículo. Page encara o papel intimamente e, por estar ligada a produção do filme, consegue ir além do que se espera dela. Shannon dá outro show e Carell parece nem ligar para o fato de que entrou na última hora para o elenco.

Direção e roteiro cavalgam juntos e chegam onde querem chegar. Emocionam, questionam, fazem refletir! Ou seja, trabalham bem e sem esforço. A edição é acertada e o ritmo da película também.

A trilha sonora se faz simples - o que até surpreende - por ser filha de uma união um tanto quanto incomum, Hans Zimmer e o músico Johnny Mar são seus pais - e a música tema, ''Hands of Love'', é cantada pela voz  outrora country de Miley Cyrus. 


Trailer


Ficha Técnica: Freeheld, 2015. Direção: Peter Sollett. Roteiro: Ron Nyswaner. Elenco: Julianne Moore, Ellen Page, Michael Shannon, Steve Carell, Luke Grimes. Fotografia: Maryse Alberti. Trilha Sonora Original: Hans Zimmer e Johnny Marr. Edição: Andrew Mondshein. Nacionalidade: Eua. Gênero: Drama, Romance, Biografia. Distribuidora: Paris Filmes. Duração: 01h44min.


Avaliação: Quatro tiros certeiros em corações sensíveis (4/5)


21 de Abril nos Cinemas!
Não recomendado para menores de 12 anos!

See Ya!
B-

Escrito por Bárbara Kruczyński

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)