Vidro, de M. Night Shyamalan


O novo filme de M. Night Shyamalan, Vidro, chega hoje aos cinemas. A película fecha a trilogia Eastrail 177, iniciada nos anos 2000 com o intrigante Corpo Fechado, filme de início de carreira do diretor, que contou com continuação, em 2016, no excelente Fragmentado.

Quase duas décadas depois, Corpo Fechado e Vidro conversam com uma conexão narrativa surpreendente e, de certa forma, explicam as dúvidas remanescentes que Shyamalan criou em Fragmentado. 

Na trama que envolve a história de Davis Dunn (Bruce Willis), temos a apresentação de um homem comum que após um acidente estranho aparece como o único sobrevivente e vê sua vida monótona e deprimente virar de ponta cabeça ao conhecer Elijah Price, papel de Samuel L. Jackson, que tem teorias bizarras sobre superpoderes e super heróis da vida real. 

Trailer

Elijah tem uma doença genética conhecida como "doença dos ossos de vidro", daí o porquê ter sido apelidado quando criança de 'Mr. Glass'. A mazela o fez passar a maior parte da vida em uma cama de hospital e incentivado pela mãe, se torna um grande leitor, fã e expert no universo das histórias em quadrinhos.

Na época em que 'Unbreakeble', título original de Corpo Fechado, foi lançado, filmes com a temática 'super heróis' não eram a febre que é hoje em dia, daí o longa ter sido classificado como thriller policial, o que acabou o tornando, de certa forma, uma obra cult.

Quando sua continuação chegou, dezesseis anos mais tarde,  a ligação com o filme anterior não ficou totalmente clara, afinal, só quem fosse muito fã do diretor teria esse conhecimento, e a história que se inicia com um sequestro e se transforma em um tipo de terror psicológico só se revela uma continuação na cena final onde o personagem de Bruce Willis aparece em uma lanchonete vendo as notícias sobre um rapaz chamado Kevin Wendell Crumb (James McAvoy) que é dado como perigoso e está a solta. Kevin foi diagnosticado com 'Transtorno Dissociativo de Personalidade e as múltiplas personalidades que residem em sua mente formam uma Horda.


Kevin (Mcvoy), David (Willis) e Elijah (Jackson)

Cada filme tem sua história, sua linguagem original e se completa. Porém há um link extremamente forte e perfeito entre eles. Daí aconselha-se rever os longs anteriores a este para que a ideia do diretor caiba direitinho e lhe apresente um resultado mais completo.

Em Vidro, temos os três personagens juntos e a trama se passa exatamente 18 anos depois. Agora. por consequência, o vilão de Corpo Fechado é o personagem central e vem explicar toda problemática psicológica que o cerca. Ao passo que Herói e Vilão se confundem, Mr. Glass tem nas mãos um mega segredo que une David Dunn e Kevin Wendell Crumb.

Com cenas deletadas de Corpo Fechado, Vidro consegue trazer as memórias de David e seu filho Joseph (Spenser Treat Clark) à tona. E é bem interessante ver o envelhecimento do carismático Bruce Willis na telona.

Como um enredo que se encaixa perfeitamente na linha de 'história em quadrinhos', o filme consegue convencer com com cenas que remetem a este universo, até porque ele trabalha forte o tema psicológico quando retrata o poder da mente e como esta pode moldar nossa realidade. Validando ainda a teoria de que todos temos super poderes, somos super heróis (ou vilões), mas isto não pode ser assumido ou revelado facilmente. E a mensagem que fica explicita traz aquele velho lema do "acredite em você e seja você mesmo".

Sarah Paulson vive a doutora Ellie Staple
Ficha Técnica

Título original: Glass, 2019. Direção e Roteiro: M. Night Shyamalan . Elenco: Bruce Willis, James McAvoy, Samuel L. Jackson, Sarah Paulson, Anya Taylor-Joy, Luke Kirby, Spencer Treat Clark, Marisa Brown, Charlayne Woodard, Jane Park Smith. Gênero: Fantasia,suspense. País: Estados Unidos. Edição: Luke Ciarrocchi e Blu Murray. Direção de Arte: Jesse Rosenthal. Diretor de Fotografia: Mike Gioulakis. Compositor: West Dylan Thordson. Distribuição: Buena Vista International. Classificação etária: não recomendado para menores de 14 anos. Duração: 02h10min.


Além da aparição de personagem da sempre expressiva Anya Taylor-Joy, que contracena com McAvoy em Fragmentado por todo o filme, temos também um novo personagem, a Dra Ellie Staple vivida pela atriz Sarah Paulson. E é lindo ver como ela dá conta do recado ao contracenar com as três feras do longa, Bruce Willis, Samuel L.Jackson e James McAvoy. Sua personagem é a terapeuta encarregada em analisar e buscar soluções para resolver as questões psicológicas dos três internos da clínica e é ai que o público encontrará a grande reviravolta da história.

Como nem o ator James McAvoy sabia que os filmes tinha conexões, é impossível não dizer que tal fator não é muito óbvio e isso torna a criação de Shyamalan ainda mais incrível e atraente para os cinéfilos que apreciam a seriedade que as histórias em quadrinhos possam ter.

Assim, vale dizer que Vidro conclui a trilogia de forma espetacular e é altamente recomendada.

Hoje nos cinemas.

Escrito por Helen Nice

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)