Distribuição: Paris Filmes

De Pernas Pro Ar 3



Neste 11 de abril, chega aos cinemas brasileiros o terceiro volume da franquia De Pernas Pro Ar. Quem não assistiu aos anteriores pode ficar tranquilo. O novo filme é perfeitamente palatável para quem caiu de paraquedas e não conhece as aventuras anteriores das personagens.

Desta vez, a bem sucedida Alice Segretto (Ingrid Guimarães) decide se aposentar, mesmo sendo uma grande workaholic. Ela ama o que faz, viaja o mundo com seus produtos de sex shop, tem uma marca prestigiada e está no auge de sua carreira. Mas se sente frustrada e culpada por não poder estar perto da família. A empresária se vê cada vez mais isolada do marido (Bruno Garcia), não viu seu filho Paulinho (Eduardo Melo) crescer e teme que o mesmo aconteça com sua caçula Clarinha (Duda Batista). A princípio, todos os moradores da casa ficam felizes com o retorno da matriarca em seus cotidianos. Mas aos poucos, vão percebendo que tê-la de volta é também ter que conviver com seus defeitos.

O carisma, não só de Ingrid Guimarães, mas de todo o elenco é o que segura o filme. Neste capítulo da trama, somos apresentados a uma nova personagem: Leona (Samya Pascotto). Inclusive, a mais cativante do bonde. A jovem empreendedora encarna toda a roupagem moderna que a diretora Júlia Rezende quis trazer. As gírias e expressões da internet saem com muita naturalidade da atuação de Samya, o que costuma ser raro nesse tipo de personagem.

Leona (Pascotto) e Alice (Guimarães)

A entrada de Leona também traz novidades nas pautas do feminismo que a franquia aborda, mesmo que superficial e timidamente. Além da liberdade sexual e do pazer da mulher, vemos o terceiro filme abordar a competitividade feminina entranhada em todas nós. Alice inveja a beleza, juventude e inteligência de sua “rival”; teme a escalada de sua carreira e ainda sente ciúmes da relação que a jovem construiu com seu filho. Não é inédito que essa faceta seja explorada exaustivamente nas mulheres fictícias a torto e a direito. Porém, é um alívio que em uma obra tão popular, essa competição seja problematizada, sejam apresentadas soluções e as personagens superem isso.

Temos em tela duas figuras femininas  competentes, determinadas, assertivas e apaixonadas por seus respectivos trabalhos. Sem também deixarem de ser amorosas e sensíveis. E por serem como são, passam toda a trama tendo problemas com homens que ou encaram a atitude delas como uma insinuação sexual ou não se sentem à vontade ao lado de mulheres tão poderosas, que roubam os holofotes quando abrem a boca e são queridas e necessárias não apenas por seus parceiros.

Evidentemente, este fator não é o bastante para apagar todos os erros cometidos. Para equilibrar este acerto, o filme aposta em um humor rasteiro para Rosa (Cristina Pereira). Embora a intérprete viva a empregada doméstica com habilidade artística inquestionável, a personagem é a mesma empregada de diversas comédias e novelas nacionais, presa ao estereótipo da serva leal, porém ingênua e sincera demais, que não tem vida além do trabalho e cujo desejo/vida sexual é motivo de piada. É ofensivo que uma personagem assim apareça sem trazer junto uma crítica ao padrão de vida dessas pessoas ou a como as enxergamos (leais, ingênuas, sinceras, desprovidas de vida e assexuadas ou taradas).

as amigas Alice (Guimarães) e Marcela (Maria Paula) 
No mais, as risadas que o filme arranca são exclusivamente culpa de Ingrid. O roteiro é preguiçoso e se vale de desculpas como “lembrei agora que não sei se meu filho voltou pra casa ontem!” para encaminhar os obstáculos e resoluções que são necessários, introduzindo algumas situações à força. A direção é competente, mas não é original nem criativa. Em alguns momentos, expressões caricatas dos atores unidas à músicas “divertidas” criam um clima de novela infantil. Devido à temática da franquia, creio que não era a intenção.

O melhor momento do longa se encontra no terceiro ato. O espectador certamente o reconhecerá. O ponto alto vem na forma de um jogo de diálogos e montagem. Uma pena que falte coragem para o filme manter até o final a decisão que é tomada nessa cena. Evidenciando a fraqueza do roteiro, a solução para um final feliz vem como um passe de mágica, visto que nada mudou em relação aos argumentos estabelecidos à priori. No entanto, De Pernas pro Ar 3 entretém e diverte ao longo de seus 108 minutos. Ademais, apresenta catálogo de atores talentosos.

Não recomendado para menores de 14 anos

Trailer

Ficha Técnica

Titulo original e ano: De Pernas Pro Ar 3, 2019. Direção: Júlia Rezende. Roteiro: Marcelo Saback, Rene Belmonte e Ingrid Guimarães. Elenco: Ingrid Guimarães, Bruno Garcia, Denise Weinberg, Samya Pascotto, Eduardo Melo, Duda Batista, Cristina Pereira, Vicent Mangado, Stepan Necessian, Claudia Mauro, Maria Paula. Gênero: Comédia. País: Brasil. Direção de Fotografia: Dante Belluti. Direção Artística: Fabiana Egrejas. Montagem: Maria Rezende. Trilha Sonora Original: Zé Ricardo. Produção de Elenco: Marcela Altberg. Coprodução: Globo Filmes, Telecine e Paris Entretenimento. Distribuição: Paris Filmes e Downton Filmes. Duração: 01h48min.

HOJE NOS CINEMAS

Escrito por Luana Rosa

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)